Convite da Escritora – Ana Andrade

Convite da Escritora – Ana Andrade

Ana Andrade Nasceu em Lisboa, em 1973, mas foi no Porto que se fez gente e ao Porto decidiu regressar, depois de 14 anos fora. É licenciada em Filosofia pela Universidade de Coimbra, doutoranda em Filosofia de Ação na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e investigadora no MLAG – Mind, Language and Action Group (FLUP). É docente na Faculdade de Direito do Porto da Universidade Católica Portuguesa, onde leciona Argumentação e Retórica, é responsável pelo Laboratório de Escrita e dá formação nas áreas do Pensamento Crítico,Comunicação e Public Speaking. Os cursos de filosofia fazem um enorme sucesso e a sua gargalhada é contagiante.

Li o seu livro o ano passado, tornando-se um dos meus preferidos de não ficção. Vale muito a pena!

Qual é a tua relação com a literatura? 

Digamos que não me lembro de mim sem um livro atrás. Cresci numa casa cheia de livros e, mesmo antes de saber ler, já tinha à minha espera coleções inteiras de literatura juvenil, o que me permitiu começar a interessar-me por clássicos e por livros mais “crescidos” ainda na pré-adolescência. A literatura sempre foi parte de mim e serve-me todos os dias: deu-me e dá-me mundo (sítios, outras formas de pensar, culturas, costumes) mesmo sem ir a lado algum e nunca me permitiu sentir-me só.

Um livro importante na tua vida (sei que gostas pouco de eleger favoritos e fazer listas mas não posso evitar).

Responder a esta questão é dificílimo para mim, mas vou tentar: diria que Saramago é o meu autor preferido, pelo que elejo Levantado do Chão, o primeiro livro que li dele (não porque seja o meu preferido, mas porque foi o que me agarrou à sua obra) . Em termos de banda desenhada, que sempre me acompanhou, Toda a Mafalda, de Quino.

Um livro que sugeres sempre para quem quer começar a estudar filosofia

O Discurso do Método, de Descartes, ou O Banquete, de Platão — e é curioso porque são autores contra quem me posiciono, em termos filosóficos, o que não me impede de reconhecer as maravilhas que escreveram.

Como tem sido receber o feedback dos teus leitores? Imagino que seja uma sensação maravilhosa.

Foi mesmo muito bom (só falo no passado porque a avalanche de comentários veio nos primeiros meses). Uma coisa estranhíssima, na verdade (ter pessoas a falar-me do meu pensamento e do modo como o expresso é surreal), como se me tivesse despido e me estivessem a ver para além daquilo que costumo mostrar. Mas muito bom.

Para quando o próximo livro?

Já está a ser pensado, na verdade. Será, obviamente, e mais uma vez, de não-ficção (sempre soube que jamais escreveria estórias, não porque não quisesse, mas porque acho que seria apenas medíocre), e, se tudo correr bem, talvez saia ainda este ano.

COMPRAR LIVRO

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *